AVALIAÇÃO DA BROTAÇÃO INICIAL DA PARTE AÉREA EM ESTACAS DE ACEROLAS COM USO DE SOMBRITE E EXTRATO DE TIRIRICA

  • DANIEL DOS SANTOS VIAIS NETO FATEC DE PRESIDENTE PRUDENTE
  • RENATO HIGASHI KAWAMURA FATEC DE PRESIDENTE PRUDENTE
  • CARLOS SUSSUMU SUYAMA FAOP - FRUTICULTORES ASSOCIADOS DO OESTE PAULISTA
  • JOÃO CESAR MARTINS DE CASTRO FATEC DE PRESIDENTE PRUDENTE
  • CAMILA PIRES CREMASCO Faculdade de Ciências e Engenharia - Unesp Tupã
  • LUIS ROBERTO ALMEIDA GABRIEL FILHO Faculdade de Ciências e Engenharia - Unesp Tupã
Palavras-chave: ESTAQUIA, HORMÔNIO, BROTAMENTO

Resumo

Dentre as frutas produzidas no Brasil, a acerola vem ganhando cada vez mais espaço no mercado. As variedades Okinawa e Oliver estão entre as principais espécies. A estaquia é considerada a técnica de maior viabilidade econômica de propagação existente, pois possibilita a uniformidade das plantas. Diversos estudos já analisaram a eficácia do extrato feito com os tubérculos e folhas de tiririca na sobrevivência de estacas neste tipo de propagação. O presente trabalho teve por objetivo estudar os efeitos do uso de sombrite e do extrato de tiririca na produção de mudas de acerola por estaquia, das variedades Okinawa e Olivier, analisando o brotamento da parte aérea das estacas. Para tanto, realizou-se um experimento que foi conduzido durante o segundo semestre de 2017. O delineamento experimental adotado foi inteiramente casualizado e constituído de quatro tratamentos para cada espécie de acerola, com quinze estacas por tratamento. Metade dos tratamentos ficaram a céu aberto, enquanto os demais ficaram sob um sombrite. Além disso, metade das estacas utilizadas foram imersas em EATT. Este estudo pode auxiliar produtores de mudas de acerola de tais variedades, a aumentar o número de estacas com brotamento utilizando ferramentas de fácil acesso, como a aplicação de sombrite e EATT.

Referências

ADRIANO, E.; LEONEL, S.; EVANGELISTA, R. M. Qualidade de fruto da aceroleira cv. Olivier em dois estádios de maturação. Revista Brasileira de Fruticultura. Jaboticabal, v. 33, n. spe1, p. 541-545, 2011.

ARRUDA, L. A. M. et al. Atividade hormonal do extrato de tiririca na rizogênese de estacas de sapoti. IX Jornada de Ensino, Pesquisa e Extensão - JEPEX. UFRPE, Recife, 2009.

BATISTA, J. A.; BOTREL, P. P.; FIGUEIREDO, F. C. Efeito do extrato de tiririca e bioestimulante no enraizamento de estacas de Hyptis marrubioides Epl. Revista Agrogeoambiental, Pouso Alegre, v. 7, n. 2, p. 91-99, 2015.

CALGARO, M.; BRAGA, M. B. A cultura da aceroleira. 3. ed. rev. ampliada. Embrapa. Brasília, 2012. 144 p.

CARPENTIERI-PÍPOLO, V.; PRETE, C. E. C.; GONZALEZ, M. G. N.; POPPER, I. O. Novas cultivares de acerola (Malpighia emarginata DC): UEL 3 - Dominga, UEL 4 - Lígia e UEL 5 - Natália. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v. 24, n. 1, p. 124-126, 2002.

DIAS, J. R. M. et al. Enraizamento de estacas de cafeeiro imersas em extrato aquoso de tiririca. Coffee Science, Lavras, v. 7, n. 3, p. 259-266, 2012.

FANTI, F.P. Aplicação de extratos de folhas e de tubérculos de Cyperus rotundus L. (Cyperaceae) e de auxinas sintéticas na estaquia caulinar de Duranta repens L. (Verbenaceae). 2008, 85p. Dissertação (Mestrado em Botância) - UFPR. Curitiba, 2008.

FIGUEIREDO NETO, A. et al. Determinação de vitamina C e avaliação físico-química em três variedades de acerola cultivadas em Petrolina-PE. Nucleus, v. 11, n. 1, abr. 2014.

FREITAS, C. A. S. et al. Acerola: produção, composição, aspectos nutricionais e produtos. Revista Brasileira Agrociência, Pelotas, v. 12, n. 4, p. 395-400, out-dez, 2006.

FURLANETO, F. P. B.; NASSER, M. D. Panorama da cultura da acerola no Estado de São Paulo. Revista Pesquisa & Tecnologia, vol. 12, n. 1, 2015.

HARTMANN, H. T.; KESTER, D. E.; DAVIS JUNIOR, F. T.; GENEVE, R. L. Plant propagation: principles and practices. 7. ed. New York: Englewood Clipps, 2002. 880 p.

MAHMOUD, T. S. et al. Avaliação do efeito de hormônio natural, sintético e indutor no desenvolvimento da primeira fase de brotação das estacas de Manihot esculenta Crantz. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE MANDIOCA, 13, 2009, Botucatu. Revista Raízes e Amidos Tropicais, Botucatu, v. 5, p. 621-625, 2009.

MOMENTÉ, V.G.; BEZERRA, A.M.E.; INNECCO, R.; MEDEIROS FILHO, S. Propagação vegetativa por estaquia de mentrasto em diferentes substratos. Revista Ciência Agronômica, v. 33, n. 2, p. 5-12, 2002.

NASSER, M. D. Variedades de aceroleira com potencial para porta-enxerto. Pesquisa & Tecnologia, vol. 10, n. 1, 2013.

NASSER, M. D.; MARIANO, F. A. C. Os benefícios da estaquia e enxertia na propagação da aceroleira. Pesquisa & Tecnologia, vol. 9, n. 1, 2012.

NASSER, M. D.; ZONTA, A. Caracterização de frutos de genótipos de aceroleira em função de estádios de maturação. Tecnologia & Ciência Agropecuária, João Pessoa, v. 8, n. 5, p. 76-78, dez. 2014.

REZENDE, F. P. F.; ZUFFELLATO-RIBAS, K. C.; KOEHLER, H. S. Aplicação de extratos de folhas e tubérbulos de Cyperus rotundus L. e de auxinas sintéticas na estaquia caulinar de Duranta repens L. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, Botucatu, v. 15, n. 4, supl. 1, p. 639-645, 2013.

ROSSAROLLA, M. D. et al. Extrato de tiririca induz maior brotação em miniestacas de aceroleira. In: 8 Congresso Brasileiro de Agroecologia Resumos... Porto Alegre, Cadernos de Agroecologia, v. 8, n. 2, 2013.

SARNO, A. R. R.; COSTA, D. A. T.; PASIN, L. A. A. P. Atividade hormonal do extrato de tiririca na rizogênese de ora pro nobis. XI Congresso Nacional de Meio Ambiente de Poços de Caldas. Poços de Caldas, 2014.

SIMÕES, C. M. O.; SCHENKEL, E. P.; GOSMANN, G.; MELLO, J. C. P.; MENTZ, L. A.; PETROVICK, P. R. Farmacognosia: da planta ao medicamento. 5. ed. Editora da UFRGS, Porto Alegre, 2003.
Publicado
28-11-2018