PRODUÇÃO DE MUDAS E FORMAÇÃO DO BANCO DE PROTEÍNA DE GLIRICÍDIA

Autores

  • Haroldo Wilson Silva Fatec - Faculdade de Tecnologia de Presidente Prudente https://orcid.org/0000-0003-2360-8599
  • Sidnei Favarin Fatec - Faculdade de Tecnologia de Presidente Prudente
  • Angela Madalena Marchizelli Godinho Fatec - Faculdade de Tecnologia de Presidente Prudente

Palavras-chave:

Biomassa vegetal, Legumineira, Leguminosa, Forrageira, Produção vegetal

Resumo

Objetivou-se avaliar a produção de mudas para formação do banco de proteína de gliricídia, bem como a composição química-bromatológica das mudas e o teor de macro e micronutrientes. A pesquisa foi dividida em dois experimentos: o primeiro foi a produção de mudas de gliricídia e o segundo experimento foi a implantação do banco de proteína com a gliricídia. Adotou-se um delineamento experimental inteiramente casualizado em fatorial: 2 tipos de substratos (Casca de pinus e Carolina) x 2 períodos (30 e 60 dias). As variáveis mensuradas nesse tratamento foram altura de planta (cm), número de folhas (uni.) e composição bromatológica em função do substrato. Quanto à altura em relação aos valores médios aos 30 dias após o plantio o tratamento T1 apresentou melhor resultado, no entanto aos 60 dias, tanto o T1 quanto o T2 matematicamente no deferiu em altura. Em relação ao número de folhas, o T1 aos 30 dias apresentou maior produção biomassa verde, porém não houve matematicamente diferença 60 dias entre os dois tratamentos. O valor da matéria seca aqui apresentado nos dois tratamentos ficou abaixo do preconizado para o preparo de silagem de boa qualidade. Conclui-se que os substratos tiveram influência sobre os resultados obtidos, no entanto, o substrato Carolina é mais indicado para produção de mudas de gliricídia, bem como, a composição bromatológica apresentou níveis dentro do observado nas literaturas consultadas para gliricídia in natura em ambos substratos.

Biografia do Autor

Haroldo Wilson Silva, Fatec - Faculdade de Tecnologia de Presidente Prudente

Mestrando em Ciência e Tecnologia Animal Tecnologia em Produção Agropecuáia - Curso em Andamento   Especialista em Bovinocultura Leiteira: Manejo, Mercado e Tecnologias - Universidad Federal e Lavras   Técnico em Agropecuária - Colégio Agrícola Dom Agostinho Ikas - UFRPE   Tenho experiência como parecerista   Membro de Banca Avaliadora de Apresentação no 24º EVINCI/UFPR, 2016.

 

Membro de Banca Avaliadora de Apresentação de Trabalhos durante a 8ª SIEPE/UFPR, 2016.

Membro convida da Banca Avaliadora do evento “Seminários sobre Caprinocultura” – UFPR, 2016.

Parecerista ad hoc – Acta Scientiarum Animal Science Universidade Estadual de Maringá.

 Parecerista “ad hoc” dos Anais de Resumo Expandidos do SIMBRAS. Universidade Federal de Viçosa.

 Parecerista “ad hoc” da Revista RBAS – Revista Brasileira de Agropecuária Sustentável

 Atuação como avaliador “ad hoc” de um artigo da Revista Brasileira de Saúde e Produção Animal.

Referências

ANDRADE, R. R.; LIMA, N. R. S. Análise da qualidade fisiológica e sanitária das sementes de gliricídia (Gliricidia sepium (Jacq.) Steud.). Cadernos de Graduação – Ciências Biológicas e da Saúde, Aracaju, v. 1, n. 17, p. 135-146, out.,2013.

ARAÚJO, G. G. L.; ALBUQUERQUE, S. G.; GUIMARÃES FILHO, C. Opções no

uso de forrageiras arbustivo-arbóreas na alimentação animal no Semiárido do Nordeste.

Embrapa Semiárido - CPATSA. 2006.

CARVALHO FILHO, O. M. de; DRUMOND, M. A.; LANGUIDEY, P. H. Gliricidia sepium, leguminosa promissora para regiões semiáridas. Petrolina: EMBRAPA-CPATSA, (Circular Técnica, 35),16 p., 1997.

COSTA, B. M. da, et al. Avaliação de Folhas de Gliricídia sepium (Jacq.) Walp Por Ovinos. Revista Archivos de Zootecnia, p.33-41, 2009.

DELOUCHE, J. C. Germinação, deterioração e vigor da Semente. Revista SEED News, novembro/dezembro - v. 6 n. 6, p. 24-31, 2002. Disponível em: https://seednews.com.br/edicoes/artigo/2018-germinacao-deterioracao-e-vigor-da-semente-edicao-novembro-2002. Acesso em: 10 ago. de 2019.

DUTRA, E. D. et al. Adições de nutrientes na compostagem de podas de árvores na região semiárida do NE do Brasil. Scientia Plena, vol. 9, num. 7, 2013.

EDVAN, R. L., et al. Perdas e composição bromatológica de silagem de gliricídia contendo diferentes níveis de vagem de algaroba. Revista Tecnologia e Ciência Agropecuária, v. 7, n. 2, p. 63-68, 2013.

GALINDO, W. F. et al. Sustancias antinutricionales em las hojas de Guano, Nacedero y Matarratón. Livestock Research for Rural Development, v. 1, n. 1, p. 1-10, 1989.

HUGHES, C. E. (1987). Biological considerations in designing a seed collection strategy for Gliricidia sepium. Commonwealth Forestry Review 66, 31-48.

JUMA, H. K. et al. Effects of supplementing maize stover witch clitoria, gliricídia and mucuna on performance of lactating Jersey cows in coastal lowland Kenya. Tropical and Subtropical Agroecosystens, v. 6, p. 1-7, 2006.

KABAIJA, E.; SMITH, O. B. Influence of season and age of regrowth on the

mineral profile of Gliricidia sepium and Leucaena leucocephala. Tropical

Agriculture v. 66, p. 125-128, 1989.

KASS, M. Evaluación nutricional de alimentos. Turrialba: CATIE. 57p. 1993.

LENNÉ, J. M.; BOA, E. R. Diseases of tree legumes. In: GUTTERIDGE, R. C.; SHELTON, H. M. Forage tree legumes in tropical agriculture. Queensland: Tropical Grassland Society of Australia, 1998.

LIASU, M. O.; ATAYESE, M. O.; OSONUBI, O. Effect of mycorrhiza and pruning regimes on seasonality of hedgerow tree mulch contribution to alley-cropped cassava in Ibadan, Nigeria. African Journal of Biotechnology, v. 5, n. 14, p. 1341-1349, 2006.

MATOS, L. V. Plantio de Leguminosas Arbóreas para Produção de Moirões Vivos e Construção de Cercas Ecológicas. Embrapa Agrobiologia, p. 125, dezembro, 2005.

MERTENS, D. R. Regulation of forage intake. In: FAHEY Jr., G. C.; COLLINS, M.; MERTENS, D. R. (Ed). Forage quality evaluation and utilization. Nebraska: American Society of Agronomy, Crop Science of America, Soil Science of America, 450-493.

PRIMO, A. C. A. et al. Produção e Acúmulo de Nutrientes de Mudas de Gliricídia Adubadas com Composto Orgânico Proveniente de Resíduos da Produção e Abate de Pequenos Ruminantes. Revista Científica Produção Animal, v. 16, n. 2, p. 144-153, 2014.

QUINTERO DE VALLEJO, V. E. Evaluación de leguminosas arbustivas em la

alimentación de conejos. Livestock Research for Rural Development, v. 5, n. 3, p. 1-7, 1993.

RAMOS, J. D. et al. Produção de Mudas de plantas frutíferas por semente. Informe Agropecuário, v. 23, n. 216, p. 64-72, (2002).

RANGEL, J. H. A.; MUNIZ, E.N.; OTTO DE SÁ, C. et al. Implantação e manejo de legumineira com gliricídia (Gliricidia sepium). Embrapa Tabuleiro Costeiro, (Circular Técnica 63), Aracaju/SE, jul. de 2011.

SILVA, M. D. A. et al. Avaliação da composição químico-bromatológica das silagens de forrageiras lenhosas do semiárido brasileiro. Semina: Ciências Agrárias Londrina, v. 36, n. 1, p. 571-578, 2015.

SILVA, V. M. et al. Qualidade de compostos orgânicos preparados com diferentes proporções de ramos de gliricídia (Gliricidia sepium). Revista Brasileira de Agroecologia, 2013.

SILVA, E. D. Avaliação da Parte Aérea de Mudas de Gliricidia sepium Produzidas sob uma Perspectiva Agroecológica. Revista Brasileira de Agroecologia, v.4, n.2, p.4327-4331, (2009).

SIMONS, A. J.; STEWART, J. L. Gliricidia sepium, a multipurpose forage tree legume.

In: GUTTERIDGE, R. C.; SHELTON, H. M. (Eds.). Forage tree legumes in tropical

agriculture. Wallinford: CAB International, p. 30-48, 1994.

SUTTIE, J. M. Gliricidia sepium (Jacq.). In: SKERMAN, P. J., CAMERON, D. G.;

RIVEROS, F. Tropical forage legumes. 2. ed. Roma: Food and Agriculture Organization,

VAN SOEST, P. J. Nutritional ecology of the ruminant. Washington, Cornell University Press, 476 p. 1994.

Publicado

12-06-2020

Como Citar

SILVA, H. W.; FAVARIN, S.; MARCHIZELLI GODINHO, A. M. PRODUÇÃO DE MUDAS E FORMAÇÃO DO BANCO DE PROTEÍNA DE GLIRICÍDIA. Revista Alomorfia, v. 4, n. 1, p. 01-11, 12 jun. 2020.

Edição

Seção

Artigos