O DESENVOLVIMENTO DO EMPREENDEDORISMO EM DESTRUIÇÕES CRIATIVAS NO PERÍODO DE CRISE ECONÔMICA BRASILEIRA

Autores

  • Alexandre Godinho Bertoncello Fatec de Presidente Prudente
  • Joyce Moreno Teixeira Unoeste

Palavras-chave:

Inovação, Empresa, Mercado, Schumpeter

Resumo

O empreendedorismo está na pauta e no debate atual de todas as sociedades, principalmente pela capacidade das empresas de criar renda e gerar empregos. Porém, a capacidade de sobrevivência destas está ligada a questões exógenas, como as crises econômicas, sua sobrevivência e a criatividade do empresário. Esta pesquisa analisa a capacidade das empresas brasileiras de vencer a crise à luz da visão schumpeteriana. Para tal foi utilizada uma pesquisa quantitativa/exploratória aplicada em um espaço temporal preestabelecido: as duas piores crises recentes no Brasil nos anos 80 e nos anos 2010s, verificando se houve a destruição criativa e se as empresas nacionais foram capazes não apenas de superar a crise, mas também de acumular capital gerando inovação. Para tanto, foi utilizada a metodologia da análise dos conteúdos abordados e descritos pelo economista britânico Joseph Alois Schumpeter avaliando o grau de inovação e dos dados financeiros disponibilizados pelos órgãos oficiais brasileiros e comparando com as crises econômicas, estabelecendo um cruzamento de dados que pudesse apontar o comportamento da premissa schumpeteriana clássica para o nível de inovação, quantificado pelo número de patentes registradas em um cenário de queda econômica. Conclui-se que a movimentação empreendedora no Brasil teve comportamentos diferentes nas crises dos anos 80s e nos anos 2010s. Na primeira década perdida teve pouca inovação cristalizada, o número de patentes teve um baixo crescimento em volume de depósitos. Por outro lado, nos anos 2010s apesar dos dados mais críticos, o número de patentes inovadoras foi superior numericamente e, houve um aumento percentual maior.

Referências

AKAMINE, C. T; YAMAMOTO, R. K. Estudo Dirigido de Estatística Descritiva. 3°edição São Paulo: editora Érika, 2013.

BARDIN, Laurence. L’Analyse de Contenu. 4ª Ed. Lisboa, Portugal, 2009, p. 47.

BERTONCELLO, A. G.; MAXIMIANO J. L. S., Impactos do Modelo de Desenvolvimento Econômico Schumpeteriano em dez Municípios da Décima Região Administrativa do Estado de São Paulo. 2º Encontro Científico de Ciências Administrativas ECCAD. Presidente Prudente, 25 de maio 2018.

BERTONCELLO, A. G.; TAKENAKA, E. M. M. Emprego, Empresa e Empreendedorismo; novos profissionais para o mercado. 658. ed. Curitiba: CRV, 2017.

CIMOLI, M.; PRIMI, A. Propiedad intelectual y desarrollo: una interpretación de los (nuevos) mercados del conocimiento. In: MARTINEZ, J. M. (Coord.). Generación y protección del conocimiento – Propiedad intelectual, innovación y desarrollo econômico. CEPAL, 2009.

COHEN, W., R. NELSON AND J. WALSH. ‘Protecting Their Intellectual Assets: Appropriability Conditions and Why US Manufacturing Firms Patent (or Not)’, Working Paper N. 7552, National Bureau of Economic Research, Cambridge, US, 2000.

CONFORTO, E. C.; AMARAL, D. C.; SILVA, S. L. Roteiro para revisão bibliográfica sistemática: aplicação no desenvolvimento de produtos e gerenciamento de projetos. 8º Congresso Brasileiro de gestão de desenvolvimento do produto, Porto Alegre, 12, 13 e 14 setembro 2011.

COOPER, Donald R; SCHINDLER, P. S: Métodos de pesquisa em administração – 12. ed. – Porto Alegre: AMGH, 2016.

DORNELAS, José (2012). Empreendedorismo: Transformando ideias em negócios. Rio de Janeiro: Elsevier.

GIL, A. C. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

HAUSMANN, R., HIDALGO, C. A., BUSTOS, S., COSCIA , M., SIMOES, A., & YILDIRIM , M. The Atlas of Economics Complexity; mapping paths to prosperity. Cambridge: MIT Media Lab 2014.

HIDALGO, C. (2015) Why information grows: the evolution of order, from Atoms to Economies, ed. Basic Books, NY

IGREJA, A. Conveniência é o nome do negócio, editora Planeta, 2019, p.121-122.

INPI, Relatório do Ministério da Ciência, Tecnologia Inovações e Comunicações 2020 acessado em 2 de maior de 2020 https://www.mctic.gov.br/mctic/opencms/indicadores/detalhe/Patentes/INPI/6.1.5.html

KÖCHE, J. C. Fundamentos de Metodologia Cientifica: Teoria da ciência e iniciação à pesquisa. 21. ed. Petrópolis: Vozes, 2002.

MALAGRICI, M. O Desenvolvimento do Sistema Contemporâneo de Patentes Brasileiro e a Evolução do Patenteamento no País no Período de 1970 a 2004. Dissertação (Mestrado Profissional em Propriedade Intelectual e Inovação) – Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) – Academia da Propriedade Intelectual, 2009.

MOURA, M. G. Schumpeter’s Conceptions of process and order. Cambridge Journal of Economics, 39 (4), 2013.

NIEDERLE, P.A; RADOMSKY, G. F. W: Introdução às teorias do desenvolvimento; coordenado pelo SEAD/UFRGS. – Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2016, p. 20.

SANTOS, D. A.G. A influência do ecossistema de empreendedorismo no Comportamento dos empreendedores, 2017.

SEBRAE, Pequenos Negócios em Números, 2018 acessado 14 de novembro as 18:00 http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/ufs/sp/sebraeaz/pequenos-negocios-em-numeros,12e8794363447510VgnVCM1000004c00210aRCRD

SILVA, C. G., IBDAIWI, T. K. R., BIBIANO, N. R., PERES, Margarida, SANTOS, M. C. S. e FALKEMBACH, G. F; O Perfil dos Empreendedores nas Startups: Um Estudo de Caso Na Incubadora Tecnológica De Santa Maria, 2013.

SCHUMPETER, J. A., The Instability of Capitalism, The Economic Journal, Vol. 38, No: 151, September, s. 361-386,1928.

SCHUMPETER, J. A., The Theory of Economics Development, Oxford University Press, Oxford, U.K, 1934.

Publicado

12-06-2020

Como Citar

BERTONCELLO, A. G.; TEIXEIRA , J. M. . O DESENVOLVIMENTO DO EMPREENDEDORISMO EM DESTRUIÇÕES CRIATIVAS NO PERÍODO DE CRISE ECONÔMICA BRASILEIRA. Revista Alomorfia, v. 4, n. 1, p. 32-42, 12 jun. 2020.

Edição

Seção

Artigos